Treinador é banido por desviar salários de jogadores

Treinador Zhang banido permanentemente

O ex-treinador da TSM FTX, Peter Zhang – que já passou pela KaBum em 2016 durante o Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLOL) – foi banido permanentemente de qualquer competição oficial de League of Legends depois de ser acusado de desviar US$ 250 mil (cerca de R$ 1,25 milhão) dos salários de dois jogadores, de pedir dinheiro emprestado a funcionários da sua ex-equipe – da qual acabou demitido – e de não repassar a quantia inteira da compra do carro de um ex-colega de trabalho.

Demissão

Até março deste ano, ele trabalhava na TSM FTX, onde ocupava o cargo de head de desenvolvimento de jogadores. No entanto, ele acabou sendo demitido após ser denunciado por práticas antiéticas por pro players e outros funcionários do clube. A investigação realizada concluiu que Zhang havia desviado salário de jogadores.

Riot publica comunicado sobre caso de Zhang

Nesta segunda-feira (8), a Riot Games publicou um anúncio, considerando que Zhang foi antiético e violou a cláusula 14.2.10 do regulamento da LCS, liga americana de League of Legends, e a Seção 2 do Formulário de Elegibilidade e Liberação da LCS. Peter, então, foi permanentemente banido de qualquer associação ou filiação com uma equipe ou organização em uma competição sancionada pela Riot Games.

De acordo com a empresa, entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022, Zhang desviou salários de dois jogadores, que deveriam ter recebido uma parte significativa de remunerações por meio de uma entidade terceirizada na China. O treinador então, forneceu contas bancárias com o nome dos atletas, mas que estavam ligadas a ele. Dessa forma, os pagamentos foram para a conta de Zhang.

Segundo a Riot Games, as evidências também sugerem que Zhang chegou a compartilhar informações não públicas sobre as decisões de recrutamento da organização.

Em outubro de 2021, Zhang também havia ficado responsável por vender um carro de um ex-integrante da TSM FTX e enviar a quantia obtida, mas o ex-treinador enganou o ex-colega e afirmou que ele não conseguiu vender o veículo. Depois, apenas repassou US$ 35 mil até o momento (R$ 175 mil). Os outros US$ 45 mil (R$ 225 mil) ainda não foram repassados.

Além disso, entre janeiro e março de 2022, Zhang ainda solicitou a oito jogadores e integrantes da staff empréstimos em valores que totalizaram US$ 15 mil (aproximadamente R$ 75 mil na cotação atual).

Zhang apresentou defesa na investigação, mas a Riot afirma que “o treinador não forneceu nenhuma evidência convincente que refutasse as conclusões do relatório apresentado pelo escritório de advocacia terceirizado da TSM”.

Nota da Riot Games

Peter Zhang está permanentemente suspenso de qualquer associação ou equipe ou associação de organização na competição sancionada pela Riot Games por se envolver no que consideramos um comportamento perturbador e antiético em relação a jogadores e funcionários atuais e antigos da TSM. Peter Zhang violou o Conjunto de Regras da LCS e o Acordo de Elegibilidade e Isenção da LCS ao transferir parte dos salários dos jogadores para contas de sua propriedade e parceiros, enganando e não pagando compensação total a um ex-jogador da TSM por vender o carro do jogador e extorquir empréstimos de jogadores e funcionários da TSM. Além disso, as evidências sugerem que durante seu tempo na TSM, ele compartilhou informações não públicas sobre as decisões de recrutamento do clube, possivelmente em troca de ganhos pessoais.

Peter Zhang se envolveu em conduta antiética em relação a jogadores e funcionários atuais e antigos do TSM, violando o Conjunto de Regras da LCS 14.2.10 e o Contrato de Admissão e Liberação da LCS. Consequentemente, Peter Zhang está permanentemente proibido de qualquer associação ou afiliação com uma equipe ou organização em competições sancionadas pela Riot Games.

CEO da TSM já foi investigado por assédio moral e bullying

Em janeiro deste ano, a TSM já tinha se envolvido em uma polêmica. O CEO e co-proprietário da organização, Andy “Reginald” Dinh, foi investigado pela Riot por bullying, assédio moral e má conduta de trabalho.

“Tenho expectativas extremamente altas para mim mesmo e compartilho essas mesmas expectativas com todos com quem trabalho . Eu tenho tolerância zero para desempenho ruim. Sou intenso, apaixonado, motivado e implacável na busca de vencer, é a minha natureza. Eu estabeleço um padrão extremamente alto e, quando sinto que alguém não está entregando, compartilho esse feedback diretamente e sem rodeios.”, disse Reginald em entrevista à Wired.

 

 

Clique aqui para conferir mais notícias de esports no Clube do Videogame.

 

 

 

Compartilhe

Letícia Höfke

Letícia Höfke

Sou jornalista, escritora e completamente apaixonada por tudo que envolve o universo geek. Twitter e Instagram: @leticiahofke

Veja também