Guitar Hero: ascensão e queda de uma das maiores franquias dos videogames

Hoje é dia de rock, bebê! Toda uma geração de jogadores de PlayStation 2 e PlayStation 3 foi marcada por essa série de jogos, que contava com uma biblioteca incrível de músicas consagradas do rock. Guitar Hero foi tão marcante que chegou a inspirar outros jogos, que passaram a utilizar controles parecidos com instrumentos musicais reais, como Rock Band.

Quando a Activion decidiu descontinuar Guitar Hero, deixou milhões de jogadores desolados. De fato, a franquia marcou a indústria dos videogames e fez muita gente se sentir um rockstar na própria sala de casa com uma guitarra de plástico. Nessa matéria, você vai conferir um pouoc mais sobre a história desse game que conquistou muitos fãs ao longo dos anos.

O que é Guitar Hero?

Guitar Hero é um dos mais famosos jogos de ritmo da história. Nele, o jogador tem que executar sequências de botões que aparecem na tela, seguindo o tempo da música e a reproduzindo.

Guitar Hero: ascensão e queda de uma das maiores franquias dos videogames

O game vinha acompanhado de um controle em formato de guitarra com botões coloridos no braço, mas também, nas primeiras versões, podia ser jogado com o joystick do console, o que era uma solução para quem não tinha a guitarra, mas tirava a imersão proposta pelo jogo.

Single player, multi player e modo de trainamento

O jogo conta com um modo single player, onde o guitarrista pode escolher as músicas de acordo com sua dificuldade, e um modo multi player, jogado por mais de um jogador.

Além disso, há ainda modos de jogo rápido e treinamento.

A primeira versão do game foi lançada em 2005, mas os jogadores a receberam com desconfiança

Guitar Hero: ascensão e queda de uma das maiores franquias dos videogames

Lançada em 2005, exclusivamente para PlayStation 2, a primeira verrsão do game deixou muitos jogadores desconfiados, tentando entender que jogo era aquele que reunia cerca de 30 músicas de vários artistas, em versões bizarras regravadas por bandas contratadas pela produtora. Além disso, Guitar Hero custava muito aqui no Brasil: um kit do jogo com o controle guitarra era bastante caro e os jogadores fãs de rock iam para versões alternativas com o DualShock do PlayStation 2, o que diminuia a imersão que o jogo prometia.

A continuação se tornou um fenômeno

Guitar Hero: ascensão e queda de uma das maiores franquias dos videogames

O sucesos de Guitar Hero veio com a continuação do game. Lançado em novembro de 2006, Guitar Hero II se tornou um fenômeno, marcando a cultura pop para sempre. Com uma quantidade de faixas maior do que a do antecessor (e com inúmeros sucessos do rock como o clássico Sweet Child O´ Mine, da banda Guns n´ Roses), o segundo jogo da franquia trazia um modo cooperativo onde dois jogadores podiam tocar juntos. Houve também uma mudança gráfica leva, mas que tornou tudo mais fluído.

Em 2007, Guitar Hero II ganhou uma versão para Xbox 60, com faixas adicionais de bandas como My Chemical Romance e Todies.

Meio tempo entre Guitar Hero II e Guitar Hero III

Guitar Hero: ascensão e queda de uma das maiores franquias dos videogames

Foi lançada uma expansão chamada Guitar Hero Encore: Rocks The 80´s, que, como o nome sugere, apresenta faixas dos anos 80, como The Police, Scorpions, Twisted Sisters, Dio. Esse foi o último jogo feito em parceria com a Harmonia.

Nessa época, Guitar Hero atingiu seu ápice!

Guitar Hero III quase foi ofuscado por Rock Band

Em 2007, Guitar Hero 3 foi anunciado. O jogo contava como super produção, lançado para Playstation 2, Xbox 360, Nintendo Wii e PC’s. Entretanto, houve um problema. A Harmonix, produtora original do jogo, não estava mais envolvida no desenvolvimento. Agora, tudo estava nas mãos da NeverSoft, da série Tony Hawk. A Harmonix estava trabalhando com a EA Games para produzir um concorrente à Guitar Hero: o inovador Rock Band.

Rock Band foi outro grande marco entre os melhores jogos de ritmo. Em vez de ser só um guitarrista, você poderia ser a banda toda, porque o jogo tinha controles inspirados em diversos instrumentos musicais, como bateria e microfone. A série ganhou vários jogos (ao todo, são doze) e alguns, eram focados em apenas uma única banda, como The Beatles ou Green Day.

Rock Band fez bastante sucesso e Guitar Hero 3, mesmo com todas as inovações incríveis, foi ”quase” ofuscado.

Turne mundial do Guitar Hero

Quando lançou o Guitar Hero World Tour, a Activision resolveu adicionar à jogabilidade bateria e microfone e tentou fazer mais algo diferente na criação de personagens e nos modos. Entretanto, não deu certo. Na verdade, o sistema do microfone e da bateria não teve qualidade e desagradou os fãs, os gráficos ficaram achatados, entre outros problemas. O jogo não brilhou tanto quando seus antecessores.

A queda

Bom, Rock Band estava crescendo cada vez mais, então Guitar Hero foi ficando para trás. A Activision começou a lançar vários jogos da franquia sem parar, todos mal acabados, para tentar se manter, mas nenhum deles agradou os fãs, que queriam alguma inovação.

Por fim, a Activison anunciou que não iria mais produzir nenhum jogo da série devido aos custos de licenciamento de músicas e as baixas vendas nas últimas versões.

A notícia deixou vários fãs mais nostalgicos tristes, pois era o fim de uma das maiores franquias dos videogames.

Outros jogos de ritmo

Para além de Guitar Hero e Rockband, existem outros jogos de ritmo que você pode gostar.

Just Dance, por exemplo, é um jogo incrível, que conta com músicas de sucesso ao redor do mundo. O primeiro game da série foi lançado para o Wii, mas agora, já existem para outros consoles. O objetivo de Just Dance é tentar imitar todos os passos do dançarino na tela; os jogadores ganham pontos dependendo de quão bom eles performam os movimentos.

Para ver a lista completa, basta clicar aqui.

Compartilhe

Leticia

Leticia

Sou escritora, jornalista e completamente apaixonada por tudo que envolve cultura pop. Instagram e twitter: @leticiahofke

Veja também