Entrevista | Fernando Rizzato, um dos criadores do jogo God-Machine (parte 1)

O game indie brasileiro God-Machine recebeu no último domingo (23), o prêmio de Melhor Jogo de Ação na premiação internacional Overcome Film Festival. O Overcome premia games e filmes independentes do mundo inteiro anualmente, desde quando começou, em 2017. O festival já havia premiado filmes do Brasil no passado, mas nunca um jogo feito aqui. Ou seja, é um fato inédito e histórico para a cena nacional de desenvolvimento de games.

Confira, abaixo, um gamplay do game:

O Clube do Videogame realizou uma entrevista exclusiva com Fernando Rizzato, um dos criadores do jogo God-Machine. Veja a parte 1 abaixo:

1 – Como o MNSTR Studio surgiu?

Resumidamente, eu (Fernando) e o Rafael, trabalhávamos juntos com ilustração e design, e também compartilhávamos a mesma paixão por heavy-metal e videogames, tendo jogado tudo que é possível de Atari a Playstation, Nintendo, Arcades e tudo mais. Mas fazer games no Brasil era algo muito distante nessa época, até que fomos abordados por uma escola de tecnologia, que começava a oferecer cursos na área. Lá conhecemos o Thiago, nosso terceiro sócio, e nos juntamos com outros colegas pra fazer um game de conclusão do curso. Além da veia artística eu sempre fui ligado à area de negócios, então traçamos um plano para buscar conhecimento e projetos que nos dessem experiência, a aos poucos fomos migrando nossos serviços para a área de games. Ralamos muito, passamos uns perrengues, pensamos em desistir várias vezes, mas sentíamos que havia algo legal ali. A qualidade dos nossos primeiros projetos e nossa abordagem cross-media, atraíram a atenção de algumas pessoas do game dev brasileiro, ganhamos amizades e mentoria, e 5 anos depois, com alguns outros projetos no portfolio, chamamos a atenção de uma empresa de representação da Califórnia. Eles começaram a nos trazer projetos, e isso nos permitiu investir em nossas produções, e hoje estamos aqui, com uma galera incrível no time, essas indicações a prêmios, e tudo mais.

2 – De onde veio a ideia para God-Machine?

Estávamos trabalhando em um jogo autoral de corrida, com temática Metal e pós-apocalíptico, que nos trouxe alguns desafios técnicos, até que paramos para analisar o projeto como um todo e onde queríamos chegar com ele. Durante esse tempo, entre muitas conversas e cervejadas, chegamos à idéia de ter nosso próprio universo integrado de histórias, que hoje está se solidificando como o MNSTR MEGAVERSE. Kanshi, o protagonista de God-Machine nasceu ali, e o potencial desse personagem nos chamou a atenção, logo de cara. Essa mistura de um robot altamente tecnológico em confronto com emoções humanas, e a combinação de futurismo com tradições ancestrais do Japão feudal, somado  ao gameplay desafiador, as arenas cheia de armadilhas e seu público sedento de sangue… Tudo isso explodiu nossa cabeça! Então decidimos “prototipar” esse jogo de combate, e ação visceral, e Kanshi era o protagonista perfeito pra isso. Com esse protótipo, ganhamos um edital do governo de São Paulo, com um valor baixo, mas suficiente pra uma demo sólida. A partir dali recebemos feedback de algumas publishers, seguimos aprimorando o projeto e chegamos a demo que está na Steam e nos festivais em que estamos concorrendo.

3 – Como foi o processo de desenvolvimento de God-Machine?

Foi bastante complexo, muitos altos e baixos, ainda pouca estruturação do estúdio na época, e veio 2020 e toda aquela incerteza. Ao mesmo tempo tudo isso direcionou nosso foco, e a cada progresso fomos acreditando mais e mais no projeto. A parte criativa sempre nos empolga bastante, e é legal demais colocar várias das nossas referências de jogos, filmes e Metal pesado no game, ao mesmo tempo que ele nos demandou aprofundar ainda mais nossas referências e conhecer coisas novas. Isso foi ampliando nossa visão criativa e permitiu elevar nossa qualidade e alcançar mais profundidade. Agora rumamos para a versão final e ansiosos pra ver esse jogo nas telas do mundo todo!

Compartilhe

Leticia

Leticia

Sou escritora, jornalista e completamente apaixonada por tudo que envolve cultura pop. Instagram e twitter: @leticiahofke

Veja também